Bat For Lashes- Lost Girls

Artista: Bat For Lashes
Álbum: Lost Girls
Gravadora: AWAL
Lançamento:Setembro/2019

Bat For Lashes, o projeto de Natasha Khan, sempre casou muito bem o místico e magia com um som delicioso, que se desenvolveu bem  ao longo dos anos.  Com pitadas de folk, e eletropop, uma das principais características do som de Khan sempre foi o jeito em que a cantora contava histórias em seus álbuns. De alter egos como a Pearl, e a luta entre o lado sombrio em Two Suns (2009), a história trágica da Noiva em The Bride (2016) entre outras histórias, Bat For Lashes sempre sempre soube fazer música para um filme que sempre esteve nas letras.  Com Lost Girls, não foi diferente.

Inspirado na época de Los Angeles nos anos 80, assim como os filmes daquela década (referência à Lost Boys bem referente no título), Natasha Khan dá vida à Nikki Pink, que chega à Los Angeles para encontrar seu namorado e logo se encontra com uma gangue de garotas vampiras. Com muitos teasers no instagram sobre Nikki Pink, e logicamente as novas canções de Bat for Lashes, nós embarcamos na viagem da protagonista, e mostramos nossa opinião faixa a faixa:

1 Kids In The Dark// “Let’s take it down/ To where the loving starts/Where we’re just kids in the dark”

A primeira canção anunciada foi uma canção escrita para um seriado do Sephen King chamado Castle Rock e agradou tanto Khan que o moça decidiu ficar com a canção. Com um clima bem anos 80 com sintetizadores e aquela estrutura que relembra a década, Khan escreve sobre se apaixonar e conseguir ficar com seu amor, nem que seja por pouco tempo. A voz delicada e suave de Khan casa bem com a atmosfera de nostalgia moderna da canção.

2 The Hunger// “Take a trip/Trip down through the fire/ Where we lose our desire/To keep up the dance”

O segundo single tem uma atmosfera bem de filme de mistério dos anos 80 com os sintetizadores detalhados e baterias espaçadas e um baixo que dá bem essa sensação de suspense. “The Hunger” trata exatamente do desejo de Nikki de se juntar com seu amor, mas ter as Lost Girls ao seu redor disputando sua atenção.

3 Feel For You// “I love ya/I feel for you”

A primeira vista, “Feel For You”, parece um instrumental  em que Khan experimenta com percussão, mas logo aparecem as letras “I love ya/I feel for you” repetidas ao longo da canção. A canção ainda assim tem o instrumental bem forte passando por vários momentos calmos e bem agitados, levando o ouvinte em uma boa viagem. Canção ótima pra dançar despercebido na sala.

4 Desert Man// “To take it slow desert man/ Desert man/Love is a nowhere land”

Em uma produção mais minimalista com piano, sinths e voz de Khan, e tomando mais corpo no refrão e no restante da canção, “Desert Man” tem uma atmosfera bem árida no instrumental. A voz de Khan ainda mostra o quanto se preocupa com seu amor mesmo sabendo que é impossível. Uma música que cresce a cada vez que você a escuta.

5 Jasmine// “Her love hurtling down deaths highways/The hands of a killer, the heart of a little girl”

Trazendo o melhor das músicas agitadas dos anos 80, com aquele baixo bem marcado e os teclados bem vivos, Natasha Khan conta a história da garota/vampira Jasmine nos versos com uma voz sussurrada e falada, enquanto extravaza seus agudos no refrão. Os sons sibilantes dos “esses” fazem um efeito bem legal na canção, que mistura a sedução da garota com o perigo que ela oferece.  Outra canção pra dançar bastante.

6 Vampires// *Instumental*

A canção acompanha a atmosfera dos anos 80 com a bateria espersa, os teclados dando um toque especial, e também há um saxofone bem legal no meio da canção. Os sintetizadores também intensificam a atmosfera nostálgica do álbum.

7 So Good// “Why does it hurt so good/You don’t treat me like you should”

Com um instrumental que brinca bem com o mistério- principalmente o baixo, conferimos Natasha Khan explorando suas extensões mais graves de sua voz para cantar os versos. Com um refrão bem cativante, além de um instrumental que brinca bem com os sintetizadores e encerra a canção de modo genial, as letras abordam que Nikki que está nas garras de Michael e que não consegue se livrar do rapaz.

8 Safe Tonight//“I thought that I was broken/Until you said, you’re safe tonight”

Órgão e vozes em eco abrem a canção que logo recebem uma boa percussão e um baixo marcando a canção crescendo ainda mais. Com refrão dançante e versos que também tem uma dose de energia, Nikki segue apreensiva com o futuro de seu relacionamento, mas seu amor parece entender e dar conforto para a garota/vampira. Toda a confissão de sentimentos embalada em um som ótimo pra dançar.

9 Peach Sky//“You know that I/Will do it right, I won’t chase you down”

Com letras simples, mas com um toque bem especial de ter alguns versos ao contrário no meio da música, “Peach Sky” é uma balada bem incorporada com uma percussão que relembra um pouco os trabalhos iniciais da cantora bem presente e melodia dançante, assim como a voz suave de Natasha Khan.

10 Mountain// “Can we make it right?/Like it was at the start/Sing to me in the dark”

Terminando com uma balada simples com piano e voz que cresce, com backing vocals, sintetizadores, e um acompanhamento fantástico que encerra a canção. Khan cria uma atmosfera que mescla tristeza e conforto e conta o desfecho da história do amor narrado em Lost Girls. A intensidade do instrumental no final da canção mostra o clímax e a dor no coração de Nikki Pink.

 

Natasha Khan confessou em uma entrevista que provavelmente não teria mais músicas novas de Bat For Lashes, mas felizmente seu amor por storytelling  e todas as influências de filmes dos anos 80 floresceram quando a cantora se mudou para os Estados Unidos. Lost Girls, traz todas as referências dos anos 80 no som com muitos sintetizadores, órgão, baixo bem marcado e mesmo assim, consegue incrementar a percussão com alguns toques dela.

Em Lost Girls é a primeira vez que vemos o instrumental ser mais explorado.”Vampires” é exclusivamente instrumental e “Feel For You”, as palavras servem mais como ritmo do que passar uma mensagem. A parte final em canções como “The Hunger”, “Peach Sky” e “Mountain” também mostram o esmero que a cantora e a produção de Charles Scott IV em terminar as canções com finais em que o som conta mais da situação e atmosfera sentimental do casal do que as próprias palavras.

Assim em The Bride, Bat for Lashes estabelece uma relação entre música contando uma história, porém em Lost Girls foca mais no amor proibido da vampira Nikki Pink com Michael. Muito dos detalhes da história também se dá nas melodias das canções principalmente na atmosfera que se estabelece nas canções. “Jasmine” e “The Mountain” são as que mais estabelecem uma narrativa em que dá pra entender o universo de Lost Girls.

Bat For Lashes não desaponta na produção e no som anos 80, mas com aquela roupagem de 10’s neste álbum. O universo de Nikki Pink é peculiar e nostálgico, mas poderia ser um pouco mais explorado nas letras das canções. Entretanto, Natasha soube expandir um pouco do universo pelo instagram e os vídeos oferecendo uma identidade visual para as meninas e atiçando mais a nossa curiosidade. Acreditamos que talvez esta também seria a proposta do trabalho: casar as ótimas canções com a parte audiovisual.