Melhores Álbuns Nacionais de 2017

2017  foi bem devagar no cenário brasileiro, pelo menos na primeira metade, alguns artistas lançaram singles e tudo mais, mas o grosso e a felicidade nacional veio na segunda metade do ano, com algumas surpresas (álbuns de vocalistas de banda, ou de algumas bandas beeeem  sumidas, ou daquelas que a gente prometia que nunca mais iria voltar). Pois bem, aqui está a nossa lista, com todos os álbuns que nos surpreenderam.

1 Meio Que Tudo é Um– Apanhador Só

Com um lançamento em súbito e algumas polêmicas envolvendo  a banda logo depois do lançamento ( e que infelizmente sujou o nome da banda), Apanhador Só conseguiu superar ainda mais na experimentação tão típica da banda levando o som indie até para outros estilos musicais, sem  deixar a marca tão característica da banda. As letras, ainda mais críticas, cheias de metáforas para pensar  e uma sensibilidade bem delicada, além do álbum ser bem viciante.

Faixas: “Metropolitano”, “O Creme e o Crime”, “Isabel Chove”, “Viralatice dos Prédios”, “Rj Banco Imobiliário”

2 Cícero & Albatroz– Cícero

Em um tom mais leve e até um pouco feliz, Cícero  coloca o nome da sua banda no álbum (Cícero e Albatroz) e explora os metais tanto nas músicas mais energéticas quanto as mais soturnas ( a melancolia característica do cantor ainda aparece em algumas canções. Com canções críticas  mas sempre com uma mensagem bem realista que a vida continua, Cícero não decepciona mais uma vez, e nos embala com mais um grande álbum na sua discografia.

Faixas: “Não Se Vá”, “A Ilha”, “A Cidade”, “Aquele Adeus”

Resenha: Leia Aqui

3 Tribalistas– Tribalistas

Demorou mas aconteceu, após 15 anos, o encontro de Marisa Monte, Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes finalmente virou realidade com o álbum Tribalistas. Anunciado de repente com algumas canções lançadas  no meio de agosto,  o trio logo  liberou o álbum inteiro que mantém a essência do trio visto em 2002,  com todas as melhores percussões, vocalizações e letras e melodias.

Faixas: “Um só”, “Diáspora”, “Aliança”, “Baião do Mundo”, “Fora da Memória”

Recomeçar– Tim Bernardes

O vocalista do terno apostou no seu trabalho solo e acertou logo de cara. Com uma instrumentalização única, com piano e orquestra, Tim nos ofereceu um álbum bem coeso musicalmente, usando muito bem os instrumentos por sí mesmo e sem recorrer á batidas eletrônicas, Tim canta histórias de amor com uma sinceridade e delicadeza única.

Faixas: “Talvez”, “Não”, “Recomeçar”, “Era O Fim”, “Quis Mudar”

Vem– Mallu Magalhães

Após 5 anos do último álbum Pitanga, Mallu nos presenteou com Vem, encorporando mais sons brasileiros e flertando muito mais com samba e metais, a evolução musical da cantora paulistana é notória, embora nas letras o mais clássico do otimismo de Mallu ainda persiste.

Faixas: “São Paulo”, “Você Não Presta”, “Navegador”, “Vai e Vem”

Resenha: Leia Aqui

Todas As Bandeiras– Maglore

O melhor do indie brasileiro com pitadas bem boas de psicodélico, Maglore trouxe canções bem energéticas e cheias de reflexões nas letras das canções.  Cm uma vibe um pouco dos anos 80, e até um pouquinho de axé, Maglore mais uma vez confirma  o talento com outro ótimo trabalho:

Faixas: “Aquela Força”, “Todas As Bandeiras”, “Quando Chove no Varal”, “Valeu, Valeu”

Música de Brinquedo 2– Pato Fu

Sim, eles atacaram mais uma vez. A banda mais fofa do cenário brasileiro lançou em 2017 a segunda edição de Música de Brinquedo- uma compilação dos hits brasileiros e internacionais com melodias com instrumentos de brinquedo. Pra crianças e adultos, o álbum traz uma certa nostalgia misturada com a magia fofa de Pato Fu.

Faixas: “Livin’ La Vida Loca”, “Palco”, “I Saw You Saying”, “Every Breath You Take”, “Datemi un Martello”

Beijo Estranho– Vanguart

Mais um ícone da nova MPB experimental, Vanguart também lançou novo álbum. Beijo Estranho traz melodias gostosas, empolgantes e  até com um toque de Tame Impala  e letras características da banda. Mais ensolarado, mas com alguns traços de melancolia, a banda coloca riffs de guitarras, violinos em músicas únicas

Faixas: “Beijo Estarnho”, “Todas as Cores”, “Quente é O Medo”, “Pancada Dura”

9 Caravana– Café República

O primeiro álbum do Café República surpreende: um rock da melhor qualidade com pitadas de psicodélico ( e grande influência de Tame Impala) e um instrumental bem coeso e criativo que te leva para lugares bem distintos em cada canção, tanto com letras como na melodia deliciosa da banda.

Faixas:  “Dragão”, “Miragem”, “Caravana”, “Delírio”

10 Sintoma– Castello Branco

O segundo álbum do cantor traz algumas canções minimalistas, brincando bem com o som do violão e da voz, dando bem mais ênfase para as palavras e metáforas que fazem a mensagem que o cantor quer transmitir ressoar tão bem. Bem tocante ainda mais com o toque lindo da flauta em algumas canções !!

Faixas: “Coragem”, “Cara a Cara”, “Do Interior”, “Evidente”

Sobre samarasammy

A simple girl lost in thoughts and feelings-
Esse post foi publicado em Brasil, Deveria ser mainstream, Indie e marcado , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.