Top 10- Músicas de 2013

Dentre os 365 dias deste ano, muitas trilhas sonoras acompanharam pessoas em ônibus e carros no trânsito, ou simplesmente em casa, quando temos o dever de limpá-la e mesmo escutando com os amigos, ou no computador. E, algumas músicas marcam, e muito, e este é o top 10 escolhido deste ano:

1. “Substance”- The Dodos// “The common man wouldn’t give up his throne”

The Dodos voltou, agora em dupla, mas com músicas arrebatadoras. “Substance” foi dado como download para a promoção do álbum Carrier, e surpreendeu: guitarra e bateria em plena sintonia e com direito até a banda de metais. A letra também é bem inteligente, juntando com uma melodia que tem um toque especial no refrão e a voz suave de Meric Long. Canção que ficou várias vezes no replay.

2. “Campo de Batalha”- Móveis Coloniais de Acaju// “Ás vezes sinto medo, e medo, pode?!”

Finalizando o belo álbum De Lá Até Aqui, Móveis aborda de um modo super sutil uma guerra que todos nós temos: a briga interna, aqueles argumentos que temos conosco. Começando de forma bem devagar, com voz e piano, a música toma energia logo depois se desatar em um campo de batalha no refrão: ao vivo, parecem balas no palco, algo lindo e assustador. Impossível não arrepiar-se ou se emocionar com a canção: Madura e falando de sentimentos honestamente, o que realmente está em falta hoje em dia.

3. “Get Lucky”- Daft Punk //”We’ve come too far, to give up who we are”

Impossível não colocar a talvez mais executada deste ano. Com groove genial deste novo disco, Random Access Memories, Daft Punk roubou a cena e executou sua “Get Lucky” em todas as rádios (com a ajuda do Pharrell, sim mainstream). Com letras cheias de metáforas de conquistas da noite, mas com as influências exatas, Daft Punk fez uma das melhores músicas de tempos, e o melhor, foi pro mainstream.

4. “Baloon” -Feral Brood // “You’re confidence was waning before you said goodbye”

“Balloon” dá nome ao primeiro álbum da banda de Sheffield, Feral Brood, e basicamente, coloca todas as características da banda em uma só canção. Guitarras (variando dos riffs papa uma pegada mais pesada),  piano, vocais alternados, isso passando por várias fases, todas sensacionais.

5. “Lies”- Chvrches// “Til I can sell you lies, you can’t get enough, make a true believer of
anyone, anyone, anyone”

A melhor revelação do ano junto com as meninas Haim,  esta banda já tinha chamado a atenção no começo do ano pelo single “Mother We Share”, mas acho  “Lies” muito mais poderosa e com mais evidências de como pode ser legal o eletrônico, gênero que eu acho super difícil de achar gente que faça coisa criativa e inovadora. Letra certeira e ritmo e melodia no ponto, e o vocal delicado mas sério de Lauren Mayberry fazem a magia desta canção.

6. “Frevo por Acaso”- Cícero // “E o que que a gente faz daquela angústia…daquela angústia”

Com participação do Silva, esta é a canção que encerra o álbum Sábado. Com ritmo hipnótico e com uma poesia cantada (como todas as canções do álbum), e de letra sobre separação e reencontro, de uma forma hiper sensível. A participação de Silva é importante para o desfecho da canção…Belo, e quem dera toda a angústia do mundo resultasse nesse final.

7. “WDYRWMTB”- Hey Sholay // “who do you really want me to be, who do you really need”

Psicodélico e fofo, essa é a definição da maioria das canções de Hey Sholay. Mas “WDYRWMTB” é capaz de derreter aqueles corações mais duros com a melodia e o clipe que é simplesmente a coisa mais fofa deste ano. Parte do EP Cloud, Castle, ______, com letras sobre relacionamento e toques eletrônicos e uma bela melodia, me trouxeram momentos bem felizes este ano.

8. “Hallelujah”- Ben L’Oncle Soul– “hallelujahhhhhhhhhh ( J’ai tant Besoi De Toi)”

Soul de melhor qualidade produzido por este francês! Ben L’Oncle Soul voltou com “Hallelujah”, com uma empolgação e um som que faz mexer a cadeira. Com influências típicas de Motown e, sim, cantando em francês, o cara contou até com um coral americano para gravar a faixa, o clipe, foi gravado em Nova Iorque. Uma baita música, de tirar o estresse na hora.

9.”Strange Lives”- The Violet May// “Understand, I’m thinking of us”

Parte integrante do EP de mesmo nome, “Strange Lives” mostra o porquê de dar nome ao novo trabalho da banda, que aliás é fantástico. Nessa música a parte pesada da banda encontra um vocal leve mas firme,  junto com distorções geniais, o que resulta numa música que passa por vários momentos (como, seu dia, sua semana, vida…). A banda passou por mudanças, mas pelo jeito,  foram bem boas.

10. “Manhattan”- Sara Bareilles // “You can have Manhattan, “cause I can’t have you”

Uma das melhores baladas de Bareilles, piano e voz. O tema é separação, mas de um jeito que não há briga, mas a tristeza está presente e também o entendimento que a relação não está dando certo. Sensível, honesto, e sim, umas lágrimas rolaram em meu rosto.

Sobre samarasammy

A simple girl lost in thoughts and feelings. I found myself lost in the world of music, and there I keep finding myself again and again. I blog to let it registered the sounds that brings me energies/ memories/hope/ thoughts- even those critical ones. Addicted also in books, tv series and the English language...oh and travel if there is money or time available. Crazy for chocolate and pets. Nice to meet you! :)
Esse post foi publicado em Especial, Indie e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s